Entre janeiro e setembro de 2020, as vendas mundiais de leite em pó na Argentina cresceram mais de 80%, chegando a 135.218 toneladas, com pouco mais de 74.000 toneladas exportadas no mesmo período de 2019. E a previsão é que terminem este ano com uma margem muito importante em relação ao ano passado.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este é um dos indicadores mais favoráveis ??para a cadeia leiteira, que encerrará o ano com forte erosão da rentabilidade do primeiro elo: as fazendas leiteiras.

Em relação às exportações, dados oficiais do Ministério da Agricultura mostram que o maior aumento foi no leite em pó integral (110%) e que mais de 48 mil toneladas de diferentes queijos também foram exportadas (até setembro).

Exportações do agronegócio da Argentina renderam US$ 1,7 bilhão em novembro

No mercado interno, as vendas de lácteos cresceram 2,6% entre janeiro e agosto, de acordo com o relatório da Aacrea Laticínios. Mas com uma diferença importante, o que mais aumentou é a venda de leite fluido (entre janeiro e julho havia aumentado 13%) e o consumo de queijo diminuiu 1% nesse período, sempre em relação ao mesmo período de 2019.

Essa tendência está relacionada à perda de poder de compra em um cenário de alta inflação e “salários diferenciados”. Os argentinos deram preferência ao leite em vez de derivados mais elaborados, como queijos e sobremesas.

Essa é exatamente a situação que atinge a equação da lucratividade do setor de laticínios. O preço de 19,59 pesos (US$ 0,24) por litro de leite cru registrado pelo Sistema Argentino de Gestão Integrada de Laticínios (Siglea) para outubro é 21,6% superior ao do mesmo mês de 2019 (e 2,7% superior ao de setembro).

Este é um aumento insuficiente para compensar uma taxa de inflação anual de 40%. O estudo da Asociación Argentina de Consorcios Regionales de Experimentación Agrícola  (Aacrea)  acrescenta um indicador interessante: compara a evolução do preço do leite cru – o valor que os produtores de leite recebem na porta – com o índice de preços ao consumidor. Esse cálculo confirma que o preço real pago ao produtor caiu 10,3% nos últimos doze meses.

Se os compararmos com os uruguaios ou brasileiros, os produtores de leite argentinos também estão perdendo. O valor que os produtores argentinos receberam por cada litro de leite em setembro (US $ 0,25) é inferior ao recebido pelos produtores de leite no Uruguai (US $ 0,30), Brasil (US $ 0,39), Estados Unidos (US $ 0,39), União Europeia (US $ 0,37) e Nova Zelândia (US $ 0,32).

O aumento dos custos é a outra variável que exerce forte pressão sobre a lucratividade do setor leiteiro. O notável aumento dos preços do milho e da soja, que atingiram preços recordes nas últimas semanas, complica a situação em duas frentes.

O primeiro, milho e soja, são insumos essenciais nas rações para vacas leiteiras. Em segundo lugar, o aumento do preço do “feijão” também tende a aumentar o valor dos aluguéis. O relatório da Aacrea Laticínios estima um aumento de 16% no índice de custo somente em outubro. No mês, os dólares subiram 3,9%, o milho 21,6% e pellets de soja 37,7%.

A diferença ano a ano é muito mais clara: a comparação do índice de custo de outubro de 2019 com o índice deste ano mostra um aumento de 63% contra um aumento de 21% nos preços. Este é o cálculo chave para compreender a queda acentuada do valor real que os produtores de leite estão recebendo.

É que o preço do leite está muito aquém dos aumentos de insumos dolarizados como sementes, fertilizantes, agrotóxicos, balanço patrimonial e milho.

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER