Criadores de gado de leite em Rondônia sabem que fevereiro é o período ideal para o plantio do milho para silagem, visando uma colheita no final do período chuvoso
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Criadores de gado de leite em Rondônia sabem que fevereiro é o período ideal para o plantio do milho para silagem, visando uma colheita no final do período chuvoso

Silagem reforça alimentação do gado e evita quedas na produção de leite durante a estiagem, em Rondônia

A produção de silagem é facilitada por meio da colheita mecânica com ensiladeiras cedidas em comodato pelo Governo de Rondônia

O Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri) tem usado os recursos do fundo Proleite para incentivar práticas modernas de manejo de pastagens e de produção de forragens para garantir que a silagem chegue com qualidade ao cocho do gado. A medida visa minimizar o impacto do período de déficit hídrico no Estado, com a consequente paralisação ou redução do crescimento das pastagens, a partir de maio, afetando fortemente a criação do gado bovino, em especial a bovinocultura de leite.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Máquinas e equipamentos, como ensiladeiras mecânicas, são usados na recuperação das pastagens degradadas, por meio da mecanização e uso de calcário para correção da acidez do solo e fertilizantes. Os produtores que aderem ao programa contam com a assistência técnica dos servidores da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural de Rondônia (Emater-RO).

O objetivo do Estado, é melhorar a atividade leiteira e evitar as quedas bruscas na produção no período de estiagem. A pecuária de leite é a atividade que concentra a maioria dos pequenos produtores rurais do Estado e a que mais sofre com a falta de chuvas durante o verão amazônico, que vai de maio a outubro, período que o gado mais necessita da suplementação alimentar no cocho.

Silo de superfície coberto com lona plástica e terra é usado para conservação da forragem

Criadores de gado de leite sabem que fevereiro é um período bom para o plantio do milho para silagem, visando uma colheita no final do período chuvoso. “Para quem plantou o BRS Capiaçu no início do período das chuvas é tempo de preparar um corte da capineira, para aproveitar o potencial da forrageira, que pode render até três cortes ao ano, alcançando uma produção de mais de 300 toneladas de matéria bruta”, diz o zootecnista Cleverson do Santos, gerente do Escritório Regional da Emater.

Varias categorias de gramíneas são apropriadas para a produção de silagem, mas em Rondônia a preferência dos produtores é pelo milho, principalmente na segunda safra, também chamada de safrinha. Agora tem uma outra opção, o capim BRS capiaçu desenvolvido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), amplamente difundido no Estado pela Emater e outras instituições.

Segundo os técnicos da Emater, a silagem de milho, sorgo e, ultimamente, de capiaçu é a forma mais prática e barata de armazenar alimento volumoso de alto teor nutritivo para o rebanho, mas alertam: não basta plantar as espécies próprias para produção de silagem, é fundamental o cuidado com a cultura, no caso do milho. Quanto mais vigorosa e produtiva for a lavoura, maior será o volume de massa seca e mais nutritiva será a silagem, mas, para isso, se faz necessário o manejo adequado da cultura com preparo do solo, boa adubação do plantio e coberturas nitrogenadas durante o desenvolvimento das espécies.

“No caso dos produtores que optaram pelo cultivo do BRS capiaçu, os investimentos e tratos culturais são semelhantes aos do milho, com a vantagem de que o capim possui um desenvolvimento rápido, oferece um volume de massa muito superior ao do milho, a um custo menor. No entanto, não se pode esquecer que ele exige os mesmos cuidados de adubação e tratos culturais que o milho”, diz o especialista da Embrapa, engenheiro agrônomo e pesquisador Paulo Moreira.

O pesquisador esclarece ainda, que a decisão de produzir silagem por parte dos produtores de leite leva em conta a pequena margem de lucro na produção de leite, fazendo com que os criadores mantenham a média de produção, sem aumentar muito os custos, mesmo no período seco, quando há escassez de pastagem. Para garantir a produção, é armazenada forragem para os animais na forma de silagem, para garantir a nutrição no período de escassez de pasto, ficando ainda opcional a espécie a se cultivar, como milho, sorgo, ou BRS Capiaçu, e o tipo de silo, que pode ser trincheira, de superfície ou em bags.

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER