O mito de que mais tecnologia reduz o lucro, além de falso, contribui para o cenário de baixa produtividade e baixo retorno econômico
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 

A adoção de tecnologia na pecuária leiteira sempre deve ter como objetivo final o aumento da produtividade. Ou seja, cada implementação tecnológica, que abrange desde estratégias de manejo de pastagem até softwares de gestão, deve ter como resultado o aumento da produção de leite utilizando os mesmos recursos ou até mesmo de manutenção no volume com menos recursos. Assim, as margens são maiores.

Sempre que o produtor avalia a adoção de uma nova tecnologia, ele deve levar em conta, na tomada de decisão, o impacto que a inovação trará nas margens e não puramente nos custos. Espera-se que a implantação da tecnologia eleve os custos; entretanto, o objetivo é que o aumento da receita seja superior, ampliando as margens da atividade.

No banco de dados do projeto Campo Futuro, feito pelo Cepea em parceria com a CNA, a propriedade típica com maior nível de adoção de tecnologia é Castro (PR). Lá o rebanho é especializado na produção de leite: as vacas em lactação são confinadas no sistema free-stall e realiza-se inseminação artificial em tempo fixo.

Quanto à alimentação do rebanho, há produção, na mesma área, de silagem de milho no verão, com alta produtividade, e cultivo de aveia no inverno; a pastagem de Tifton recebe os manejos de correção do solo, adubação e controle de daninhas tanto na formação quanto nas manutenções anuais.

Além da alimentação volumosa, os animais recebem suplementação mineral e concentrada (14 kg/dia de concentrado por vaca em lactação). A produção média diária por vaca é de 30 litros, totalizando mais de 5.000 litros diários na propriedade, e a produtividade atinge 22.060 l/ha/ano.

O alto grau de tecnologia adotado pela propriedade modal de Castro não implica redução do custo de produção do leite. Na verdade, quando comparado ao valor observado em outras regiões, o custo de produção do leite é até elevado. O Custo Operacional Efetivo (COE) por litro produzido é de R$ 1,03 e o Custo Operacional Total por litro (COT) é de R$ 1,11. Como o produtor recebeu R$ 1,30 pelo litro de leite, as margens da atividade foram positivas: a margem bruta³ por litro foi de R$ 0,27 e a margem líquida , de R$ 0,19/l.

Apesar das margens apertadas, o alto grau de adoção de tecnologia gerou grande produtividade, ou seja, escala de produção, beneficiando a atividade como um todo, cujo resultado é refletido nas margens bruta e líquida de, respectivamente, R$ 6.339,79/hectare e R$ 4.501,61/hectare. Desde que bem planejada tecnicamente e tendo como objetivo o aumento de produtividade por área, a adoção de tecnologia traz benefícios ao produtor e para o setor como um todo.

O mito de que mais tecnologia reduz o lucro do produtor, além de falso, contribui para a manutenção do cenário de baixa produtividade e baixo retorno econômico. A pecuária leiteira, quando executada de forma eficiente, torna-se extremamente competitiva economicamente em relação a outras atividades agrícolas e pecuárias.

Foram premiadas as mais produtivas vacas das categorias adulta e jovem para dois produtores de Carlos Barbosa.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER