Prática tem objetivo de promover descanso do úbere, necessário para intensificar regeneração e formação de alvéolos, preparando-o para nova lactação
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Artigo escrito por Hanna Caroline Prochno, médica veterinária na J.A Saúde Animal

O período seco das vacas é o período entre duas lactações, compreendido entre a secagem (interrupção da extração de leite) e o parto seguinte. É uma necessidade fisiológica da vaca leiteira e tem relação direta com a saúde do úbere, com a produção de leite da próxima lactação e com o risco de doenças no pós-parto. A secagem da vaca deve ocorrer 60 dias antes do parto. Esta prática tem o objetivo de promover o descanso do úbere, necessário para intensificar a regeneração e formação de alvéolos (unidades secretoras do leite), preparando-o para a nova lactação.

Durante o período seco, a glândula mamária passa por três fases distintas: involução ativa, involução completa e lactogênese ou colostrogênese. Na primeira fase ocorre a involução do parênquima, que começa um ou dois dias depois da secagem e vai até a completa involução da glândula mamária (cerca de 21 dias após a secagem). Durante esta fase, a glândula fica vulnerável a uma nova infecção intramamária principalmente por três fatores: ainda não ocorreu a formação do tampão de queratina natural que funciona como uma barreira física no canal do teto protegendo contra novas infecções; ainda há síntese de leite pelas células secretoras da glândula mamária (continua por 2 a 3 dias após a secagem) e este leite residual, além de aumentar a pressão intramamária, pode se tornar meio de cultura para as bactérias que estão presentes no úbere no momento da secagem, em vacas que apresentam mastite subclínica; e por último, níveis séricos de cortisol podem estar aumentados devido ao estresse causado pela interrupção da rotina de ordenha, levando a uma diminuição da imunidade da vaca e a tornando suscetível a uma nova infecção.

A segunda fase, de involução completa, é considerada um período de baixo risco para novas infecções, pois o tampão de queratina já foi completamente estruturado no teto, e as células secretoras sofreram involução. As novas infecções neste período são geralmente raras e, quando ocorrem, muitas vezes são eliminadas espontaneamente. Esta fase se inicia cerca de 21 dias após a secagem e se estende até quando ocorre o reinício da síntese de colostro antes do parto (14-21 dias).

Por fim, temos a fase da lactogênese e colostrogênese, que está inserida no período do periparto, normalmente nos últimos dias pré-parto. Nesta última fase, tal como na primeira fase, haverá uma maior suscetibilidade a novas infecções por agentes ambientais, pois reinicia uma nova proliferação celular para síntese do colostro devido a uma ativação hormonal, causando novamente aumento da pressão intramamária. Além disso, a vaca se encontra no período de transição, podendo estar em balanço energético negativo. Nesta fase ocorrem importantes mudanças nutricionais, imunes e metabólicas que causam redução de até 30% na ingestão de matéria seca, causando supressão do sistema imune com consequentes ocorrências de enfermidades.

Aproximadamente 60% das mastites clínicas durante os 100 primeiros dias de lactação estão associadas com infecções que se iniciam durante o período seco. Pode-se estimar que no primeiro mês de lactação todos os casos de mastite clínica estão associados com o período seco, enquanto que no restante da lactação a origem dos casos clínicos é de novas infecções durante a lactação.

Por outro lado, o período seco é uma ótima oportunidade para eliminar infecções subclínicas já presentes. O objetivo principal do controle de mastite no período seco é reduzir as infecções intramamárias para otimizar a produção de leite na próxima lactação, visto que a mastite subclínica é a principal responsável pela queda de produção.

A terapia de vaca seca é a principal estratégia para controle da mastite durante o período seco. Este procedimento é realizado pela introdução intramamária de antibiótico de longa ação após a última ordenha. A antibioticoterapia no período seco possui vantagens como o aumento da taxa de sucesso terapêutico se comparado à obtida quando é feito durante a lactação, a utilização de doses mais elevadas de antibióticos, menores perdas com o leite descartado, e o fato de permitir o tratamento de infeções não reconhecíveis, sendo que caso o tratamento seja bem-sucedido, o tecido mamário tem tempo para recuperar antes da próxima lactação.

Características dos antibióticos

As características dos antibióticos que indicam potencial de cura de mastite na secagem são tempo de ação, a concentração e a persistência do produto. Produtos para secagem devem ter tempo prolongado de ação e boa difusão no úbere. Devem também apresentar concentração suficiente para eliminar e prevenir patógenos causadores de mastite, com liberação lenta e que persista durante a maior parte do período seco. Um dos princípios mais utilizados devido a sua alta taxa de eficácia é a Cloxacilina Benzatina, um antimicrobiano de longa ação da classe dos Beta Lactâmicos. As penicilinas anti-estafilocócicas, como a cloxacilina, são resistentes à penicilinase produzida por Staphylococcus aureus, sendo assim indicadas no tratamento deste agente patogênico, bem como de outros estafilococos e estreptococos.

Além da função curativa, o manejo de secagem é essencial para a prevenção de novas infecções de origem ambiental realizado pela introdução do selante no canal do teto. Os selantes de tetos são estratégias preventivas, cuja função é bloquear fisicamente a comunicação entre o ambiente externo e o interior da glândula mamária. Os selantes imitam a função do tampão natural de queratina formado fisiologicamente no canal do teto em até duas semanas após a secagem, porém apenas 50% dos tetos formam o tampão de queratina na primeira semana após a secagem.

A terapia de vaca seca é essencial no controle de mastite, pois elimina em média 80% das infecções existentes e previne até 80% das novas infecções intramamárias durante o período seco. A associação de antibioticoterapia intramamária em conjunto com o selante de teto é a melhor estratégia para tratamento de infecções existentes e prevenção de novas infecções no rebanho.

Outras notícias você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de março/abril de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER