A busca por processos que ampliem as oportunidades no mercado deve ser influenciada diretamente pelos integrantes dos setores. Nessa perspectiva, pesquisadores estão desenvolvendo um tipo de pasteurização do leite
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Iniciativa é fruto de parceria entre Sindlacticínios e outros órgãos

A busca por processos que ampliem as oportunidades no mercado deve ser influenciada diretamente pelos integrantes dos setores. Nessa perspectiva, pesquisadores estão desenvolvendo um tipo de pasteurização do leite, por meio do uso de radiação ultravioleta (UV). Dessa forma, seria possível baratear o processo e torná-lo mais acessível para pequenos produtores.

A iniciativa é liderada pelo Sindicato da Indústria de Lacticínios e Produtos Derivados do Estado do Ceará (Sindlaticínios Ceará), em parceria com a Universidade Federal do Ceará (UFC), o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Sebrae, Instituto Euvaldo Lodi (IECL) e Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec). As primeiras etapas da pesquisa devem começar no próximo mês de outubro, em chão de fábrica cedido por associado do Sindlacticínios.

A técnica envolve aplicar os raios UV dentro de tanques, com quantidade progressiva de leite. Por exemplo: se uma camada de 10 centímetros for pasteurizada, a quantidade será aumentada e assim por diante, com alterações na intensidade da luz e na área de aplicação, a depender de cada resultado.

Segundo José Antunes da Mota, presidente do Sindlacticínios, o processo é uma inovação tanto em nível estadual, quanto em nível relacionado ao uso de laticínios. Por ser uma tecnologia mais acessível e que permite que pequenos produtores possam utilizá-la sem depender de equipamentos de larga escala, a prática pode baratear a produção. Dessa forma, os produtores certificarão os produtos de forma mais acessível.

 

Legenda: Reunião do Sindlacticínios com a UFC
Foto: Hiago Henrique

 

O presidente explica que o papel do sindicato foi intermediar os diálogos entre as partes. “Conseguimos financiamento para esse estudo, são técnicos específicos para isso do IFCE e da UFC. Vamos divulgar a posteriori para todo o setor. É um projeto experimental, nós estamos começando uma alta inovação”, afirma José Antunes da Mota.

Por ser um processo que demanda tempo de avaliação, tanto em relação à qualidade da pasteurização quanto do acesso aos produtos, José Antunes ressalta que, durante os próximos meses, será feita a difusão da tecnologia, a partir dos resultados obtidos nos testes.

Em relação a outras atuações do sindicato no Ceará, o presidente comenta que a organização trabalha para reduzir a entrada de produtos sem certificação no estado, provindos de outras unidades da federação.

Boletim de Preços
Informe com análise e acompanhamento das variações de preços de indicadores de interesse da cadeia do leite.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER