Os Estados Unidos comprarão 3 bilhões de dólares americanos em laticínios, carne e produtos de agricultores e pecuaristas a partir do início da semana que vem, anunciou no sábado o presidente, Donald Trump.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Os Estados Unidos comprarão 3 bilhões de dólares americanos em laticínios, carne e produtos de agricultores e pecuaristas a partir do início da semana que vem, anunciou no sábado o presidente, Donald Trump.

“Os EUA comprarão, de nossos agricultores, pecuaristas e produtores de culturas especializadas, 3 bilhões de dólares em laticínios, carnes e produtos para linhas de alimentos e cozinhas”, disse Trump em um tweet na tarde de sábado.

O presidente dos EUA observou que a compra do governo faz parte da “Caixa de Alimentação dos Agricultores para a Família”, chamando-a de “boas notícias para todos”.

As demandas por produtos agrícolas caíram em meio ao surto de COVID-19, uma vez que as quarentenas generalizadas desde o final de março interromperam as cadeias de suprimentos em todo o país, forçando alguns agricultores a destruirem seus produtos que não podem ser armazenados.

Alguns dos maiores matadouros do país fecharam devido ao aumento de infecções entre trabalhadores em certas instalações, apresentando desafios adicionais para os agricultores. Trump assinou recentemente uma ordem executiva para manter as fábricas de processamento de carne abertas, mas atraiu a reação do maior sindicato de frigoríficos do país.

A União Internacional dos Trabalhadores Comerciais e da Alimentação (UFCW) anunciou na sexta-feira sua oposição à reabertura de 14 fábricas de frigoríficos sob a recente ordem executiva, levantando preocupações sobre os sérios problemas de segurança nessas instalações que colocam em risco os trabalhadores e o suprimento de alimentos.

Enquanto isso, agricultores e pecuaristas foram devastados pela crise de COVID-19, com as falências anuais aumentando 23 por cento, de acordo com a Federação Americana da Fazenda, que citou dados divulgados recentemente pelos tribunais dos EUA.

Wisconsin foi o mais atingido com 78 pedidos nos 12 meses seguintes, seguido por Nebraska com 41 pedidos e Iowa aos 37, observou a Federação Americana da Fazenda. Mais de 50 por cento dos registros foram na região do meio-oeste dos 13 estados, seguidos por 19 por cento no sudeste.

O presidente dos EUA anunciou recentemente um programa de alívio de 19 bilhões de dólares para ajudar agricultores e pecuaristas afetados pela pandemia de COVID-19, com 3 bilhões de dólares em compras de produtos frescos, laticínios e carne para distribuição em bancos de alimentos.

O programa de assistência alimentar ao coronavírus também fornecerá 16 bilhões de dólares em apoio direto com base em perdas reais para produtores agrícolas, onde os preços e as cadeias de suprimentos do mercado foram impactados pela pandemia, segundo o Departamento de Agricultura dos EUA.

Mais norte-americanos voltam ao trabalho mas crescem temores com 2.a onda da Covid-19

DETROIT (Reuters) – Trabalhadores de fábricas começaram a voltar às linhas de montagem no Estado norte-americano do Michigan nesta segunda-feira, abrindo caminho para a reabertura do setor automobilístico dos Estados Unidos, mas alimentando preocupações com uma possível segunda onda de infecções do coronavírus, enquanto os rígidos regimes de lockdown são afrouxados em todo o país.

Com milhões de americanos sem trabalhar e a atividade econômica em queda livre, um número crescente de Estados está encerrando as duras restrições colocadas em vigência em março e abril para desacelerar a propagação da epidemia.

Alguns fornecedores de auto-peças do Michigan, uma potência industrial do meio-oeste americano atingido duramente pela pandemia e pela depressão econômica consequente, reabriram suas fábricas nesta segunda-feira com a equipe mínima necessária para aprontar o reinício, planejado para o dia 18 de maio, da produção automobilística na região.

“Estamos iniciando nossa fundição nesta semana em antecipação às ordens que chegam na semana que vem”, disse Joe Perkins, diretor-executivo da Busche Performance Group, uma empresa de engenharia, fundição e maquinaria, em uma entrevista por telefone.

A Busche já estava fabricando peças para clientes não relacionados ao setor automobilístico, mas considerados essenciais, como a Deere & Co e a Emerson Electric, mas agora esquenta suas fornalhas para os clientes da indústria automotiva e treina seus funcionários sobre como manter a segurança durante a pandemia.

As três grandes montadoras de Detroit – A General Motors, a Ford Motor e a Fiat Chrysler Automobiles — já anunciaram que planejam reiniciar a produção de veículos nas unidades norte-americanas no dia 18 de maio.

O setor automobilístico representa 6% da produção econômica dos Estados Unidos e emprega mais de 835 mil norte-americanos. O governo do México, um importante agente na cadeia produtiva de automóveis nos EUA, deve fazer o anúncio nesta semana em relação a seus planos para a indústria.

Até agora mais de 80 mil norte-americanos morreram na pandemia das mais de 1,34 milhão de infecções conhecidas nos EUA desde o dia 20 de janeiro, de acordo com uma contagem da Reuters. O Estado de Michigan contabilizou mais de 4.500 mortes relacionadas à Covid-19, a doença respiratória causada pelo coronavírus, representando o quarto maior número entre os 50 estados americanos.

Em Ohio, um outro Estado predominantemente industrial, a vasta maioria das lojas do varejo poderá começar a atender seus clientes na terça-feira.

Mesmo Nova York, epicentro da crise no país, deve relaxar algumas medidas de distanciamento social até o final da semana em algumas partes do Estado fora da região metropolitana da cidade de Nova York.

Especialistas da área de saúde alertaram que a medida para reabrir antecipadamente, sem a ampla expansão de testes diagnósticos e a aplicação de outras precauções, pode arriscar uma ressurgência do vírus. Pesquisas mostram que a maioria dos americanos também está preocupada.

Surtos de novas infecções na Alemanha e na Coreia do Sul, ambas elogiadas por agirem agressivamente após a epidemia sair da China no início do ano, sugerem que as iniciativas para suspender as restrições podem ser prematuras.

Governador diz que arredores da cidade de Nova York podem reabrir no fim de semana

(Reuters) – O governador de Nova York, Andrew Cuomo, disse nesta segunda-feira que várias regiões nos arredores da cidade de Nova York podem começar a reativar suas economias no fim de semana depois de cumprirem critérios relacionados a hospitalizações e exames do novo coronavírus.

Cuomo disse que as regiões do Lago Finger, do Vale de Mohawk e de Southern Tier, no centro e no oeste do Estado de Nova York, atenderam os sete critérios de reabertura, entre eles um declínio de duas semanas nas mortes em hospitais e pessoas suficientes para rastrear os contatos de casos novos.

O governador também disse que certos negócios e atividades recreativas, como tênis, paisagismo e cinemas drive-in, podem abrir no dia 15 de maio, quando uma ordem de confinamento domiciliar vai expirar. As regiões que se qualificarem também terão permissão para reabrir após esta data.

“Algumas regiões estão prontas hoje”, disse Cuomo em entrevista coletiva diária. “Elas só precisam colocar alguns elementos de logística em ordem até o final da semana”.

Devido à disseminação rápida do coronavírus na cidade de Nova York, o Estado de Cuomo é de longe o mais atingido pela pandemia nos Estados Unidos, respondendo por mais de um terço das quase 80 mil vidas perdidas nos EUA, de acordo com uma contagem da Reuters.

Mas um isolamento de quase dois meses de escolas e negócios não essenciais funcionou para limitar as infecções, impedindo o colapso da rede hospitalar da metrópole. As hospitalizações mostram tendência de baixa há quase um mês, e as 161 fatalidades relatadas no domingo marcam o menor número diário de mortes desde 26 de março.

No total, 57 prêmios vieram para o Brasil; produção do queijo mineiro já é reconhecido como patrimônio cultural imaterial.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER