“Os laticínios uruguaios se destacam, no mundo e no mercado doméstico, por sua qualidade. Desde o leite a qualquer um dos seus derivados, seja para consumo interno ou para exportação, todos alcançam um grau de destaque que nos posiciona e prestigia no mundo.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

“Os laticínios uruguaios se destacam, no mundo e no mercado doméstico, por sua qualidade. Desde o leite a qualquer um dos seus derivados, seja para consumo interno ou para exportação, todos alcançam um grau de destaque que nos posiciona e prestigia no mundo. Além disso, a produção de leite é uma atividade estratégica, que introduz tecnologia no meio rural, mantém as famílias no campo evitando a migração para a cidade e é uma excelente ferramenta no combate à pobreza rural. A grande maioria das fazendas leiteiras em nosso país é familiar, portanto, um dos grandes desafios é manter os jovens no setor, mas para isso é preciso criar as condições adequadas”, disse o secretário-executivo da Câmara da Indústria do Leite do Uruguai (CILU), Ariel Londinsky.

A Conaprole (maior empresa privada do Uruguai) compra mais de 70% do leite produzido no país, os 30% restantes são distribuídos entre mais de 40 empresas de diversos portes – em geral, médias e pequenas – e a solução não é disputar produtores entre as empresas, mas desenvolver Políticas de Estado que evitem o fechamento das fazendas leiteiras e ajudem a mudança geracional para alcançar uma maior produção. Este é um setor que “sempre se sente desafiado por diversas situações” e “manter o ritmo e o crescimento da produção é um dos temas permanentes”, disse.

Ele explicou que “um dos maiores desafios do setor lácteo é motivar o produtor e, principalmente, empenhar-se para não perder mais produtores, e não é só uma questão de preços. Além do leite produzido poder crescer, o número de produtores está diminuindo e isso é um desafio crítico e estratégico para o país”.

Para entender o que está acontecendo, Londinsky disse que a “rentabilidade, que obviamente é importante”, deve ser considerada, mas “há outros fatores que devem ser analisados”, como a “motivação”, principalmente em relação aos “jovens porque se não lhe damos boas condições de estudo, acesso à internet, boa mobilidade, acesso a tudo o que precisam” o lógico é que “vão acabar saindo da produção e, assim que tomarem esta decisão, não vão voltar”. Segundo ele, “a idade média dos produtores de leite no Uruguai é alta, mais de 50 anos, não há renovação e a tendência é que haja cada vez menos produtores”.

Isto tira “disponibilidade de leite para toda a indústria, independentemente do tamanho. Se o número e a variedade de produtores forem reduzidos, o leque de possibilidades para aumentar a produção é reduzido. Estamos diante de uma questão crítica para os próximos 5 ou 10 anos do país”, enfatizou.

Então, se queremos ter mais leite para chegar e atender a demanda de todas as indústrias instaladas no país, “a primeira coisa é evitar a perda de produtores, porque isto nos leva a perder a produção de leite”.

“A segunda coisa é como fazer os produtores aumentarem a produção”. Para responder isto, é preciso entender que “a produção de leite é um negócio de margem, o produtor tem que ver quanto lhe pagam pelo leite, mas também quanto custa para produzi-lo e essa margem é que dará o lucro. Às vezes, o preço do leite está em um nível aceitável, mas os custos são muito altos e a margem é muito limitada. Embora seja uma questão de enfoque múltiplo, uma parte importante da solução é baixar custos para motivar uma maior produção, pois se a margem que cada litro me deixa for maior, fica mais fácil investir para produzir mais volume e crescer. Se os custos forem altos, será difícil chegar a esses investimentos”.

Como setor de exportação, explicou ele, somos tomadores de preço, então o valor internacional do leite é rapidamente transmitido para dentro. A partir disto, possivelmente, podemos administrar melhor o outro lado da moeda; ou seja, os custos.

Sobre como aumentar o número de produtores, Londinsky apontou a necessidade de gerar “uma política de Estado” que aponte para esse objetivo com uma perspectiva de médio e longo prazo. “É fundamental que haja um trabalho de aproximação, de busca de novos produtores, principalmente motivando os jovens que ainda estão nas fazendas leiteiras a ficar e poder empreender, e nessa tarefa há vários pontos a se considerar como acesso a capital, acesso à terra, treinamento”, entre outros.

A informalidade preocupa seriamente

A produção primária de leite do Uruguai, assim como os produtos processados ​​que saem das fábricas, “têm uma qualidade superior”, o que é essencial para um país como o nosso que, “como em outros produtos, deve buscar uma qualidade de excelência”.

“Nossas indústrias atendem aos mais altos padrões mundiais, o sistema de cuidado às melhores práticas da indústria de laticínios é de primeira classe e isto é claro para nós, porque um erro que cometamos no mundo será conhecido imediatamente”.

No entanto, embora “toda a indústria de laticínios controle e cumpra os padrões exigidos”, ele alertou para dois problemas que são especialmente preocupantes pela falta de controle: o contrabando e a informalidade.

Sobre o primeiro, disse que “ocorre principalmente na fronteira seca com o Brasil” driblando os controles sobre a produção desses produtos; e a segunda refere-se à comercialização de leite e produtos industrializados que “não passam pelos canais formais”.

“É uma preocupação muito grande, estamos falando de requeijão, alguns queijos, manteiga e doces de leite”, frisou.

Esclareceu também que a produção de queijo artesanal, que em muitos casos é de muito boa qualidade e se processa de acordo com as exigências sanitárias e produtivas, não se confunde com a produção informal. A informalidade carece de todo controle, enquanto o queijeiro artesanal formal atende aos requisitos necessários, porém há uma quantidade não menor de litros de leite que se move na informalidade.

A situação regional

O representante da CILU disse que existem realidades “muito diversas” na região, como “a Argentina estagnada na produção igual ao Chile, enquanto o Brasil tem crescido muito. Cada país tem suas peculiaridades com diferentes sistemas de produção que não permitem comparações diretas.

O que é um fenômeno regional e global é a perda de produtores, mas “não só do setor lácteo, mas de toda a produção rural. É uma tendência mundial”, garantiu.

A vantagem do Uruguai é que, por ser um país pequeno, pode aplicar políticas públicas e alcançar resultados rapidamente. Para produzir mais leite, “há que se formar novas unidades produtivas e incentivar os jovens para isso” de tal forma que “quando houver novos investimentos no setor, também se estimule a produção, não basta colocar as máquinas, é preciso gerar a bacia e os mecanismos para que novos produtores se somem, é isso que nos fará crescer”, e assim devem estar “diferentes atores: o Instituto de Colonização, as associações, o setor educacional (Universidade, Utec, UTU), entre outros “, finalizou.

 

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER