Uruguai registra queda significativa na produção e entrega de leite – eDairyNews Últimas notícias
Uruguai |3 junio, 2019

Leite | Uruguai registra queda significativa na produção e entrega de leite

A entrega de leite das fazendas leiteiras para o conjunto de unidades industriais de laticínios do Uruguai foi 9,7% menor nos primeiros quatro meses de 2019

entrega de leite das fazendas leiteiras para o conjunto de unidades industriais de laticínios do Uruguai foi 9,7% menor nos primeiros quatro meses de 2019, em comparação com o mesmo período de 2018, atingindo 529,296 milhões de litros. A entrega de abril foi estimada em 133,083 milhões de litros, 12,6% a menos que no mesmo mês do ano passado.

No entanto, no acumulado dos últimos 12 meses (maio de 2018 a abril de 2019), o envio de leite foi 1,4% acima do valor correspondente a um ano atrás.

Com base em informações elaboradas por técnicos do Instituto Nacional do Leite (Inale), no ano de 2018 foram enviados 2.063.383 milhões de litros, volume recorde, 17% superior ao enviado durante o ano de 2017.

Três ou quatro anos ‘asfixiados’

Mauro Curbelo, presidente da Sociedade dos Produtores de Leite de San Ramón, disse que existem várias razões para que esse declínio tenha ocorrido, entre elas, o valor que o produtor recebe pelo leite enviado às indústrias, que é avaliado em dólares e caiu de maneira notória. Isso impacta os produtores com relação aos seus problemas de caixa e o enfrentamento de investimentos importantes, por exemplo, para alimentar seus rebanhos, o que afeta os níveis de produção e, portanto, a menor entrega.

Inclusive, ele admitiu que cenário poderia ser pior, mas felizmente o preço do grão em dólares não teve aumentos relevantes. Na verdade, «já se passaram três ou quatro anos desde que fomos sufocados e, a longo prazo, isso está sendo sentido», disse ele.

Em relação ao valor do leite, embora tenha havido uma leve recuperação em pesos, «começamos o ano com um valor em dólar de US$ 0,29 a US$ 0,30 por litro e agora estamos em US$ 0,26 a US$ 0,27 em média e isso está nos atingindo».

A isto devemos acrescentar uma seca que ocorreu este ano, que não foi muito pronunciada. «Ela durou no máximo 50 dias, mas aconteceu num momento chave, os pastos não cresceram bem e poucos produtores conseguem fazer um bom pastoreio de aveia, por exemplo. Os pastos não contribuíram e os campos estão auxiliando pouco», acrescentou.

Ele também lembrou que a boa primavera passada gerou muito pasto e levou os produtores, a fim de economizar o máximo possível, a investir menos na suplementação de seus rebanhos «e isso também está tendo impacto”.

Menos fazendas leiteiras

Curbelo acrescentou que «devemos ter em mente que os produtores continuam fechando fazendas leiteiras. Estão fechando menos, em média uma a cada dois ou três dias». Ele mencionou que parte desses rebanhos passa para outras fazendas leiteiras, mas uma boa parte vai para frigoríficos ser abatida a fim de fazer dinheiro e pagar contas. “E isso provavelmente continuará acontecendo”.

Finalmente, consultado sobre a ajuda oficial que havia para o setor lácteo, Mauro lamentou que «a pequena ajuda que foi dada, por diferentes razões, não se materializou em benefícios reais para os produtores”.

Tópicos |
Aviso legal sobre propriedade intelectual em conteúdo digital

Todas as informações contidas nestas páginas que NÃO são de propriedade da eDairy News e NÃO são consideradas "de domínio público" pelos regulamentos legais são marcas registradas de seus respectivos proprietários e reconhecidas por nossa empresa como tal. A publicação no site eDairy News é feita com a finalidade de coletar informações, respeitando as normas contidas na Convenção de Berna para a Proteção das Obras Literárias e Artísticas; na Lei 11.723 e demais normas aplicáveis.

Qualquer reivindicação decorrente das informações contidas no site eDairyNews será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, com sede na cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outra jurisdição, incluindo a Federal.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Notas relacionadas