Essa é a avaliação da DSM, dona da marca Tortuga®, em um ano de recordes de preços da arroba, do leite e dos bezerros e de muitos desafios enfrentados com tecnologias que melhoraram a produtividade; DSM também divulga o Censo de Confinamento DSM, que registrou 6,5 milhões de bovinos confinados (+ 2% sobre 2020).
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Fonte: Revista Attalea Agronegócios

Um ano dinâmico para a pecuária, mas promissor pela valorização do preço da arroba para o segmento de corte, do bezerro na atividade de cria, e do leite. Essa é a avaliação do negócio de Ruminantes da DSM, dona da marca Tortuga® de suplementos nutricionais para animais, apresentada a jornalistas em um encontro em 8 de dezembro. Nesse cenário, os especialistas da empresa destacam que a pecuária de corte e leite, novamente, se mostrou resiliente às adversidades e importante para a economia do país, apesar das volatilidades do mercado nesse ano e dos desafios enfrentados pelos produtores.

Na pecuária de corte, a retrospectiva do ano passa pelos recordes de preço da arroba do boi e do preço do leite, além do preço alto também para os bezerros na atividade de cria. No mercado da carne, esse ambiente é confirmado pelos números do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea-USP) que, por exemplo, registrou recorde para a arroba em novembro, 13,6% acima do mesmo período do ano passado. Na pecuária de leite, o setor foi favorecido por vários cenários, como o crescimento em ritmo menor do que a demanda em alguns países relevantes para o segmento, a exemplo dos Estados Unidos, e o aumento do consumo de lácteos puxado pela retomada econômica em âmbito mundial, embora o mercado doméstico tenha uma retração dos índices de renda da população pelo momento desafiador da economia.

“Se, por um lado os preços recordes da arroba e do leite beneficiaram os pecuaristas, por outro, a alta dos custos produtivos desafiou a gestão e a resiliência dos produtores, que tiveram de lidar com a variação do dólar, aumento de preços do milho, da soja e de outros insumos”, comenta Sergio Schuler, vice-presidente do negócio de Ruminantes da DSM para a América Latina. E é nesse ambiente que o executivo avalia que a aplicação de tecnologias que aumentam a produtividade da pecuária tornou-se ainda mais evidente. “É possível dizer que os desafios impulsionaram a adoção de tecnologias nas fazendas, pois os produtores tiveram de manter o foco nos resultados em todos os ciclos, desde a cria, quando os suplementos ajudam a gerar bons bezerros, passando pela suplementação para buscar ganho de peso dos bovinos de corte e o aumento da produção das vacas de leite”, comenta Schuler.

Sobre as tecnologias do portfólio da marca Tortuga®, o diretor de marketing do negócio de Ruminantes da DSM, Juliano Sabella, menciona algumas inovações relevantes e que melhoram os índices zootécnicos dos bovinos de corte e leite e a rentabilidade dos produtores. Destaque para os aditivos CRINA® e RumiStarTM, ingredientes de alta tecnologia exclusivos da DSM que, combinados aos Minerais Tortuga, trazem uma série de benefícios para aumento da produtividade. Destaque também para o Hy-D®, aditivo que, ao ser incluído na dieta dos bovinos, garante absorção mais rápida e eficiente dos macrominerais, melhorando o rendimento de carcaça, produção de leite e índices reprodutivos, elevando os índices zootécnicos e gerando benefícios de bem-estar animal e segurança alimentar.

Censo de Confinamento DSM registra 6,5 milhões de bois confinados

Estruturado pelo Serviço de Inteligência de Mercado (SIM) da DSM, o Censo de Confinamento DSM 2021 registrou 6,5 milhões de bovinos confinados. O número mostra um crescimento de 2% sobre o ano passado, quando o mapeamento da empresa identificou um total de 6,4 milhões de bovinos confinados, e 37% superior ao número de 2015, quando a empresa começou a fazer esse levantamento e contabilizou 4,7 milhões de bovinos produzidos nesse sistema intensivo.

Regionalmente, os três estados com maior rebanho confinado esse ano são Mato Grosso, São Paulo e Goiás, com 1,38 milhão, 1,12 milhão e 1,07 milhão de bovinos, respectivamente. O estado onde o confinamento mais cresceu, contudo, foi o de São Paulo, com alta de 17% sobre o ano anterior, quando foram anotados 959 mil animais confinados, com Paraná registrando alta de 16% (de 328 mil para 379 mil animais) e Mato Grosso do Sul com alta de 6% (de 753 mil para 798 mil animais). Com relação à retração, o número de bovinos confinados reduziu 16% no Pará (de 206 mil para 173 mil bovinos) e na região do MAPITO – Maranhão, Piauí e Tocantins (de 224 mil para 188 mil bovinos) e em Santa Catarina, onde caiu 13% (de 155 mil para 134 mil bovinos).

“O histórico de crescimento constante dos números do levantamento da DSM comprova que o pecuarista brasileiro está intensificando cada vez o seu sistema de produção sendo o confinamento uma ferramenta estratégica para melhorar a produtividade do rebanho e para auxiliar na introdução de tecnologias que impulsionam os resultados zootécnicos e a receita da fazenda”, avalia Hugo Cunha, gerente técnico nacional de Confinamento da DSM.

P@go, inovação da DSM que protege o preço para o produtor

Em um ano de muitas volatilidades em vários segmentos do mercado, a DSM reforçou a sua parceria com os produtores de carne e lançou o P@go. Com essa iniciativa inédita, os produtos da marca Tortuga® podem ser vendidos com o preço atrelado ao valor da arroba do boi (a “moeda” dos pecuaristas), com valores pré-estabelecidos (preços travados) por meio do indicador do Boi ESALW/BM&F, usado para liquidação futura de contratos negociados na bolsa de valores. Com esse modelo, a DSM gera previsibilidade para o preço dos seus produtos, que muitas vezes é impactado pelas variações do dólar, o que dificulta a garantia de preço futuro. “Ao atrelar nossos preços à moeda do pecuarista, que é a arroba do boi gordo, conseguimos assegurar o planejamento dos custos com a nutrição do rebanho”, conta Sabella.

Nesse modelo, caso o preço da arroba caia na data de pagamento do pedido, o produtor fica com a diferença do valor em crédito para uma próxima compra. Caso o inverso aconteça, contudo, o produtor não precisa pagar a diferença. “O P@go é um instrumento de mitigação de risco. O produtor nunca perde. Se o preço da arroba cai, ele é bonificado com o valor da diferença para a próxima compra. E se a arroba sobe, ele não precisa pagar essa diferença”, conta Sabella. Ele explica que a DSM consegue manter essa relação comercial em benefício dos clientes ao realizar operações para proteger-se das volatilidades do mercado, o que permite repassar essa proteção no preço dos produtos.

Bovaer®: novo aditivo da DSM reduz a emissão de metano dos ruminantes

A sustentabilidade, em seu tripé econômico, social e ambiental, é um dos pilares que suporta as atividades da DSM. Nesse ano, um grande avanço foi a aprovação regulamentar total das autoridades brasileiras para a comercialização do Bovaer®, o novo aditivo da empresa que reduz o metano emitido pelos ruminantes. Depois de um período intenso de pesquisas, que durou mais de dez anos e passou por 45 testes em fazendas de 13 países, em quatro continentes, além de quase 50 estudos científicos independentes, a aprovação do Bovaer® representa um marco para a DSM, que vem se preparando para colocá-lo no mercado.

Sobre a eficiência de Bovaer® no Brasil, um teste feito na Universidade Estadual Paulista (Unesp) conduzido em 2016-17 mostra redução de até 55% de emissão de metano entérico, que é o metano produzido na digestão dos ruminantes e eliminado por eructação (arroto). Com esse resultado, Bovaer® se comprova como uma tecnologia potente para reduzir a pegada de carbono da pecuária de corte e leite e representa um avanço alinhado às discussões recentes da COP26, a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas realizada em novembro, em Glasgow, na Escócia.

Cm efeito instantâneo, a inclusão diária de apenas um quarto de colher de chá de Bovaer® ao dia na ração dos bovinos é suficiente para suprimir a enzima que ativa a produção do metano no estômago dos ruminantes. O produto é decomposto com segurança no sistema digestivo do animal e não deixa nenhum resíduo na carne ou no leite; caso o uso seja interrompido, a produção total de metano é retomada, sem efeitos duradouros no organismo do animal. “Bovaer chega para ser um excelente aliado da pecuária moderna, que une a produção e o respeito ao meio ambiente. E os números provam a redução de emissão, pois a inclusão desse aditivo na dieta de três bovinos, por exemplo, equivale à retirada de um carro de passeio das ruas, enquanto a sua inclusão na alimentação de 1 milhão de bovinos equivale a plantar uma floresta com 45 milhões de árvores”, comenta Schuler.

Os empresários mexicanos que se dedicam ao negócio do queijo e laticínios têm enfrentado uma situação difícil nos últimos meses.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER