"> UU. AA. mobiliza os agricultores de Dezña face aos baixos preços do leite - eDairyNews-BR
Ele questiona a recusa da empresa em aumentá-la e os novos contratos.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
MARCOS MÍGUEZ

A Unións Agrarias (UU. AA.) reuniu-se ontem em Lalín agricultores da zona para os informar do calendário de manifestações que o sindicato tem em vigor para denunciar a “atitude intolerável das principais indústrias leiteiras que operam na Galiza” à sua recusa em aumentar os preços do leite que compram aos produtores. Unións assinala que em muitos casos a modificação da Lei da Cadeia não está a ser cumprida. Salientam que as principais indústrias “apesar de terem passado meses a vender para aumentar os seus rendimentos, estão relutantes em cumprir a lei e transferir para os produtores um aumento do preço do leite que lhes permite fazer face ao forte aumento dos custos de produção que têm vindo a afectar as explorações agrícolas desde há meses”.

O sindicato fez um apelo aos agricultores da região de Dezana encorajando-os a participar nas mobilizações que foram convocadas. Amanhã, quinta-feira 11, haverá uma manifestação às portas da fábrica Lactalis em Vilalba e no dia 16, outra em frente de Larsa, em Outeiro de Rei. Exigem mudanças drásticas e imediatas das indústrias, a fim de cumprir a Lei da Cadeia e garantir a viabilidade das explorações agrícolas.

No último ano, os criadores de gado enfrentaram um aumento de 26 % no preço dos alimentos para animais. Segundo a Unións Agrarias, este aumento poderia ser maior e atingir 40 % nos próximos meses, se as previsões forem cumpridas. A este aumento deve acrescentar-se o aumento do preço da electricidade, que, dizem, representa um custo adicional de 34% para as explorações agrícolas. Espera-se também, diz o sindicato, que os plásticos e os fertilizantes sejam 50% mais caros no próximo ano.

A Unións Agrarias salienta que produzir hoje um litro de leite custa a um agricultor galego 2,63 cêntimos de euro a mais do que há um ano, tendo apenas em conta o aumento do preço dos cereais e significa 800 euros a mais por mês para uma exploração agrícola média com 350.000 quilos de quota.

Um cêntimo até 2023

Acusam Lactalis de “tentar extorquir os produtores com os quais trabalha com uma proposta de actualização do contrato que contempla um aumento de um mísero cêntimo até Abril de 2023”. Os agricultores da região queixam-se de que a indústria está actualmente a colocar estes contratos em cima da mesa, que serão válidos até Abril de 2023, o que significaria amarrar os produtores a um preço muito baixo para o leite.

Explicam que se trata de contratos para o mês de Março, mas que a indústria aparentemente já os está a apresentar aos agricultores.

Acompanhamento técnico melhora todos os indicadores das propriedades.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER