As vacas transformam 20.000 kg de alimentos não digeríveis para nós em 10.000 kg de leite nutritivo, provando que a atividade leiteira é um dos métodos mais eficientes de criar alimentos para o ser humano; e o metano que elas exalam é convertido em CO2 biogênico neutro para o clima, que é fixado nas plantas através da fotossíntese, cumprindo assim o ciclo natural do carbono.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Existem 280 milhões de vacas leiteiras espalhadas pelos 5 continentes e 33 milhões de produtores altamente qualificados que contribuem significativamente para alimentar uma população mundial de quase 8 bilhões de pessoas com valiosos produtos lácteos e carne.

As prateleiras dos supermercados estão cheias de leite e centenas de produtos lácteos. Variedades de queijos produzidos há milhares de anos em todo o mundo. Sorvete chinês de receitas antigas, ou manteiga etíope, ou o delicioso Iogurte Lassi no mercado indiano. Vacas e pessoas em uma simbiose cultural e nutricional, antiga sabedoria desafiada por ser culpada pela mudança climática.

O leite desempenha um papel tão importante na nutrição que em 2001 a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) estabeleceu o Dia Mundial do Leite Escolar, no qual participaram mais de 40 países.

A Universidade McMaster no Canadá pesquisa os benefícios do consumo de leite à saúde, assim como a organização global PURE RESEARCH PROJECT, que envolve 135.000 pessoas de todas as origens culturais e sociais do mundo, e seus resultados são claros: o maior consumo de produtos lácteos, especialmente leite integral, está associado a um menor risco de mortalidade e doenças cardiovasculares, especialmente com um menor risco de derrame cerebral.

Entretanto, fortes campanhas advertem que o consumo de leite é uma causa da mudança climática. Em forte declínio desde 1990, ainda é responsável por 3% de todas as emissões globais de gases de efeito estufa, mais do que todos os aviões do mundo, dizem eles. Eles também dizem que as vacas criadas para o leite estão aquecendo o clima do nosso planeta, que elas emitem muito metano que está prejudicando nosso clima.

Estas reivindicações geram uma discussão crescente sobre como podemos reduzir o consumo de carne e leite, impostos têm sido sugeridos e proibições têm sido solicitadas.

Hoje estou falando de um documentário em vídeo que me foi enviado há alguns dias e quero compartilhá-lo com vocês, porque nos ajudará a pensar se estas acusações realmente têm mérito.


Estas imagens de satélite da Agência Espacial Européia (ESA) mostram onde o metano está na atmosfera, e descobrimos que onde a concentração de vacas é maior, as emissões são menores. No Brasil, por exemplo, onde há 212 milhões de animais, o maior rebanho bovino do mundo, não há altas concentrações de metano no espaço, o mesmo acontecendo na Etiópia e Sudão, onde há um total de 96 milhões de bovinos, mais do que em toda a União Européia.

Concentración de metano en la atmósfera, imagen satelital de Agencia Espacial Europea (ESA)
Concentração de metano na atmosfera, imagem de satélite pela Agência Espacial Européia (ESA)

Onde quer que estejam no mundo, as vacas fazem parte de um sistema ar/solo/pastagem/animal, e para entender isto é necessário olhar para os processos físicos, químicos e biológicos.

Uma parte natural da atmosfera é o dióxido de carbono, CO2, e sua participação na atmosfera é de 0,04%. Todas as plantas, inclusive as gramíneas, dependem do CO2 para seu crescimento, e o retiram do ar. Do solo, eles obtêm água e a partir dela as plantas criam longas cadeias de carbono. Através de reações com outros elementos, eles são convertidos em açúcares, gorduras e proteínas.

Ruminantes como as vacas comem essas gramíneas com seus açúcares, gorduras e proteínas e produzem leite a partir delas em suas glândulas mamárias. Os humanos ingerem essas cadeias de carbono sob a forma de leite e seus derivados. Junto com o oxigênio do ar, o carbono é queimado nas células do corpo e este processo resulta em CO2: até 2 toneladas são exaladas por pessoa por ano, e assim o círculo é fechado.

O CO2 que as gramíneas extraídas do ar eram comidas pelas vacas, que produziam leite, que os humanos consumiam e depois exalavam o CO2 de volta para o ar. Este circuito não pode influenciar o clima, pois não é criado CO2 adicional.

O alimento principal das vacas é a erva, que é composta de uma longa e forte cadeia de carbono: a celulose, que é completamente indigestível para os humanos, ou seja, não há competição por alimentos entre rebanhos e humanos. O gado então garante que estes recursos inúteis se tornem valiosos para as pessoas em formas super-nutricionais e saudáveis, como carne e leite.

As vacas transformam 20.000 kg de alimentos em 10.000 kg de leite nutritivo, o que prova, por um lado, que a atividade leiteira é um dos métodos mais eficientes de produção de alimentos para humanos e, por outro lado, que a eliminação do gado traria fome e desnutrição a todos os continentes.

Para que as vacas digerem a grama, elas têm um órgão que os humanos não digerem, o rúmen. No interior, as bactérias se alimentam da celulose no pasto e a decompõem em componentes facilmente digeríveis. Este processo não produz CO2, mas CH4, o temido metano, que é expelido através da boca da vaca para o ar. Cerca de 120 kg de metano por ano por vaca leiteira é convertido em CO2 biogênico neutro para o clima, que é fixado nas plantas através da fotossíntese, cumprindo assim o ciclo natural do carbono.

A razão pela qual alguns cientistas acreditam que este metano causa danos ao clima é porque ele pode estar absorvendo mais energia térmica do que o CO2, e por isso todo o gado é questionado.

Mas essas emissões de metano são um novo fenômeno em nosso planeta? Não. Os ruminantes existem desde antes da revolução industrial, há milhões de anos, e sempre emitiram metano para a atmosfera. Então, temos hoje mais ruminantes no planeta, desde que os domesticamos, do que temos desde então e, portanto, temos mais emissões de metano do que antes da revolução industrial? Mais uma vez, não.

Não sabemos quantos ruminantes viveram na terra em tempos anteriores. Ninguém os contou até 300 anos atrás. Mas deve ter havido milhões de animais pastando nas vastas savanas e pradarias da África e da Ásia. Sabemos com certeza razoável que havia tantos bisontes e alces nas pradarias americanas quanto há gado domesticado hoje.

Estima-se que há 500 anos atrás havia 26 milhões de elefantes na África, e hoje existem apenas 1000, e que eles produziam o mesmo metano naqueles dias que quase todo o rebanho leiteiro da Europa de hoje.

Se grandes rebanhos de animais selvagens pré-industriais não aqueceram o clima do planeta durante milhões de anos, então os rebanhos domésticos de hoje também não podem. Os ruminantes não podem ser considerados responsáveis pela mudança climática causada pelo homem.

À medida que os ruminantes pastam, eles estimulam bactérias alimentadoras de metano que promovem uma rica biodiversidade do solo, que pode então sequestrar mais carbono e água. Os solos absorvem algumas das emissões de metano das vacas e as bactérias do solo o transformam em nutrientes.

Os complicados processos do sistema ar/solo/pastagem/animal são mal compreendidos. Do renomado Projeto Carbono Global trabalhando intensamente para compreender o ciclo do metano ao IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) com o relatório mais abrangente até agora, divulgado em agosto de 2019, eles ainda não sabem exatamente como a agricultura afeta o clima.

Na página 489 do relatório do IPCC lemos: “Entretanto, a análise da produção de carne de ruminantes é altamente complexa devido à extrema heterogeneidade dos sistemas de produção e por causa dos muitos produtos e serviços associados a eles”. Segue-se que uma redução no consumo de carne e leite não pode ser facilmente recomendada.

Pagina 489 del Informe del IPCC (Intergovernmental Panel On Climate Change)
Pagina 489 del Informe del IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática)

É um mistério como os ativistas anti-pecuária podem estar tão absolutamente certos que a redução do consumo de carne e leite é necessária para salvar o planeta. Não há justificativa para questionar uma simbiose tão profundamente enraizada entre a civilização humana e o gado, em qualquer parte do mundo.

Podemos estar absolutamente certos de que o leite e os produtos lácteos são altamente saudáveis e que podemos desfrutar deste alimento antigo e natural com a consciência limpa.

Você já tomou seu copo de leite hoje? O leite é bom para você!

 

Valeria Guzmán Hamann

EDAIRYNEWS

Traduzido com DeepL.com

“Enxugar gelo”. Você já sentiu essa interminável sensação?

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER