Estudo da Universidade de Wisconsin-Madison para a maior cooperativa de laticínios dos EUA foi realizado em fazendas orgânicas, mas o resultado se aplica às demais
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Estudo da Universidade de Wisconsin-Madison para a maior cooperativa de laticínios dos EUA foi realizado em fazendas orgânicas, mas o resultado se aplica às demais
Jeff Kart
26 de setembro de 2022     Atualizado há 4 horas
Compartilhe esta publicação:

Reprodução/Forbes
Saiba como a agricultura familiar pode usar suas vacas para reduzir as emissões de CO2

Acessibilidade
L L A- A+ ◐

Quando os sistemas de criação são baseados em pastagens e produção de culturas orgânicas, a pegada de carbono menor. É isso que Nicole Rakobitsch afirma. Ela é diretora de sustentabilidade da Organic Valley, a maior cooperativa de laticínios orgânicos dos Estados Unidos, e também faz parte de uma equipe de pesquisa da Universidade de Wisconsin-Madison que está por trás de um estudo inédito.

A pesquisa revisada por pares usa uma “metodologia inovadora” que inclui a contabilização do benefício de sequestro de carbono das pastagens.

LEIA MAIS:  A corrida pela redução da pegada de carbono da pecuária na natureza

O trabalho foi publicado no Journal of Cleaner Production e incluiu uma avaliação do ciclo de vida dos laticínios, realizada em fazendas da Organic Valley. As descobertas relatadas: pequenas fazendas que se concentram em técnicas de pastoreio e produção orgânica são “campeãs de baixas emissões de gases de efeito estufa”, segundo a cooperativa. O que pode ser incrivelmente fascinante, mas não super surpreendente.

O benefício do pasto nas emissões de GEE (gás de efeito estufa) é explicado por dois fatores, diz Horacio Aguirre-Villegas, pesquisador-chefe e Cientista III da Universidade de Wisconsin-Madison.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter

Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Primeiro, as pastagem têm um sistema radicular mais desenvolvido do que outras culturas que servem para alimentar as vacas. “Então, com pastagem, você acaba deixando a maior parte da biomassa (e, portanto, carbono) no solo, em comparação com o milho, que acaba retirando a maior parte da biomassa da propriedade”, diz Aguirre-Villegas.

Parte dessa biomassa nas raízes é carbono, e parte desse carbono será armazenada a longo prazo (mais de 100 anos), com base em diversos fatores.

“Capturamos esse benefício incorporando o sequestro de carbono em nossa análise. A extensão do benefício do sequestro de carbono depende de diferentes fatores, como a quantidade de carbono que fica no solo acima, abaixo do solo e do esterco, além da região”, diz ele.

O segundo benefício dos sistemas de pastagem é que a ração é produzida onde as vacas comem, diz Aguirre-Villegas. “Assim, não há necessidade de transporte, armazenamento, colheita etc., o que significa menos uso de insumos e, portanto, emissões de GEE relacionadas.”

Além de ser a maior cooperativa desse tipo nos EUA, a Organic Valley também é uma das maiores marcas de consumo orgânico do mundo, representando cerca de 1.800 agricultores em 34 estados dos EUA, juntamente com Canadá, Austrália e Reino Unido.

Como a pecuária orgânica contribui para o sequestro de carbono?
Todas as propriedades orgânicas modeladas no estudo recebem pelo menos 50% de sua necessidade de dieta com pastagens ou forragens, explica Aguirre-Villegas.

A pecuária leiteira orgânica, em geral, requer menos uso de recursos como fertilizantes sintéticos e suplementos alimentares. Esses recursos não precisam ser fabricados, o que equivale a menos emissões de GEE.

Quão baixo é, quando se trata da redução das emissões de GEEs de fazendas orgânicas?
O estudo diz que os benefícios do sequestro de carbono variam de 7% a 20%. “Isso realmente depende do sistema agrícola”, diz Aguirre-Villegas.

As propriedades convencionais poderiam adotar práticas de manejo muito eficientes e sustentáveis, como digestão anaeróbica do esterco, injeção de fertilizantes nitrogenados, plantas de cobertura, seguir planos de manejo de nutrientes para evitar perdas de nitrogênio e reduzir as emissões de GEE. “O alcance pode ser amplo”, afirma.

Quanto ao leite produzido pelas vacas, um estudo nacional de 2013 sobre fazendas leiteiras convencionais resultou em uma produção média de leite maior do que o estudo da Universidade de Wisconsin-Madison de fazendas orgânicas (denominado como leite corrigido para gordura e proteína). No entanto, nenhum estudo incluiu o sequestro de carbono em sua análise, diz Aguirre-Villegas.

“O sequestro de carbono é um mecanismo complexo que depende de muitas variáveis, e esta é uma das razões pelas quais o sequestro de carbono geralmente está ausente dos estudos de avaliação do ciclo de vida que avaliam as emissões de GEE e outros impactos ambientais dos sistemas agrícolas”, diz ele.

“Nosso estudo propõe um método para incluir o sequestro de carbono na análise e esperamos que outros pesquisadores utilizem o método e, se possível, melhorem, para que esse serviço ambiental das propriedades que dependem do pastoreio seja capturado.”

E não são apenas as fazendas orgânicas que podem se beneficiar. “Todas as fazendas produtoras de pasto e outras culturas podem adotar (o método proposto pelo estudo)”, acrescenta Aguirre-Villegas.

“Como segunda parte de nosso estudo, também queremos incluir serviços ambientais adicionais que as fazendas orgânicas fornecem, que podem não ser realizados nesses tipos de estudos. Por exemplo, alguns produtores preservaram áreas florestais ou pântanos em suas propriedades, contribuindo não apenas para um maior sequestro ou carbono, mas também para a qualidade do ar e da água.”

Leia mais em: https://forbes.com.br/forbesagro/2022/09/vacas-que-ficam-no-pasto-ajudam-a-reduzir-as-emissoes-de-co2/

Em um momento em que as exportações de lácteos dos EUA estão aumentando, acaba de ser anunciado que a Cúpula Mundial dos Laticínios (World Dairy Summit) será realizada em Chicago, de 16 a 19 de outubro de 2023.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER