O criador Kleyson Almeida, que tem propriedade em Divinópolis, em Minas Gerais, quer saber se vai aumentar a produção de leite com seu rebanho cruzando uma vacada meio-sangue Caracu x Nelore com touro Gir.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

vacas-meio-sangue-caracu-nelore-dicas-cruzamento

O criador Kleyson Almeida, que tem propriedade em Divinópolis, em Minas Gerais, quer saber se vai aumentar a produção de leite com seu rebanho cruzando uma vacada meio-sangue Caracu x Nelore com touro Gir.

Foi o zootecnista Guilherme Marquez, gerente nacional de produto leite da central Alta Genetics, quem respondeu a dúvida.

“Nós temos duas raças de corte dentro dessa sua novilha. Então eu vou usar agora o tricross, que é colocar uma terceira raça. O Caracu teve uma adaptação de 40 anos no Brasil, é um animal rústico, resistente a carrapato, um animal que tem casco escuro, casco que dura muito. E na outra parte você tem o Nelore, que é o sucesso que é no Brasil, uma raça rústica, que também é muito resistente a ecto e endoparasitas. Essas duas raças são focadas para corte”, apresentou.

O zootecnista projetou o resultado do cruzamento com a raça zebuína. “O Gir viria muito bem, mas eu pegaria duas posições zebuínas dentro desse cruzamento. E aí, se for usar o Gir, você teria que usar o melhor touro com habilidade para produção de leite. Nós temos duas provas que vão identificar isso pra você – o Programa Nacional de Melhoramento Genético da raça Gir Leiteiro, que é pela Embrapa e ABCGil, e o Programa de Melhoramento Genético da raça Leite Max, que é da ABCZ. Você vai escolher touros que estão na cabeceira, nos top 1% para produção de leite, para poder incluir essa característica cada vez mais nessa sua novilha”, ponderou.

Marquez, entretanto, recomendou que o criador use outra raça. “Eu iria me aventurar em um outro cruzamento, o cruzamento com a raça Holandês. […] Outra opção que eu daria é você pegar um touro da raça Holandês, também com informação para produção de leite. Aí você vai olhar o PTA Leite (Predicted Transmission Ability, a Habilidade de Transmissão Prevista, em tradução livre, ou a capacidade de um reprodutor transmitir uma característica para sua progênie) desse touro, que deve estar acima de 1500 a 2000 libras. A prova do Holandês é feita em libras e a prova do Gir Leiteiro é em quilo. Libra é a mensuração de peso nos Estados Unidos. Então quanto mais libras, melhor. Aí você vai escolher um animal Holandês acima de 2.000 libras para colocar nessa sua novilha cruzada e aí, sim, a gente pode esperar criar um animal com boa produção de leite”, sustentou.

Qual é a sua dúvida sobre cruzamento para gado de leite? Envie para o programa no link do Whatsapp do Giro do Boi, pelo número (11) 9 5637 6922 ou ainda pelo e-mail girodoboi@canalrural.com.br.

No vídeo a seguir, o zootecnista detalha suas indicações ao produtor mineiro:

 

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER