Eles avaliaram as trajetórias potenciais de uma nova tecnologia que sinergiza ciência da computação, biofarma, engenharia de tecidos e ciência de alimentos para cultivar produtos de carne, laticínios e ovos de células animais e / ou geneticamente modificadas.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Segundo o executivo, a China precisava do Brasil como um parceiro na área de lácteos (Foto: Mirian Fitchner/divulgação)

Eles avaliaram as trajetórias potenciais de uma nova tecnologia que sinergiza ciência da computação

 

Dependendo de como ocorre, o desenvolvimento da agricultura celular (alimentos cultivados em fábricas a partir de células ou leveduras) tem o potencial de acelerar a desigualdade socioeconômica ou fornecer alternativas benéficas ao status quo. Essa é a conclusão de um novo estudo liderado por pesquisadores da Pennsylvania State University (Penn State).

 

Eles avaliaram as trajetórias potenciais de uma nova tecnologia que sinergiza ciência da computação, biofarma, engenharia de tecidos e ciência de alimentos para cultivar produtos de carne, laticínios e ovos de células animais e / ou geneticamente modificadas. As entidades mais bem posicionadas para capitalizar essas inovações são as grandes empresas, segundo o pesquisador Robert Chiles, professor assistente de sociologia rural da Faculdade de Ciências Agrárias.

 

“No entanto, novas tecnologias como inteligência artificial, agricultura inteligente, bioengenharia, biologia sintética e impressoras 3D também estão sendo utilizadas para descentralizar e personalizar  a  fabricação de alimentos”, afirmou. “Eles têm o potencial de democratizar a propriedade e mobilizar organizações econômicas alternativas dedicadas ao licenciamento de código aberto, cooperativas de propriedade dos membros, finanças sociais e modelos de plataforma de negócios”, completou.

 

Embora a carne celular ainda não esteja amplamente disponível para os consumidores, seus proponentes acreditam que a agricultura celular poderia reduzir a terra, água e insumos químicos, minimizar as emissões de gases de efeito estufa, melhorar a segurança alimentar, otimizar a nutrição e eliminar a necessidade de criar e abater um grande número de animais. por comida. No entanto, a agricultura celular também poderia concentrar a propriedade e o poder no sistema alimentar global, ou seja, deslocando fazendeiros, fazendeiros, pescadores e indústrias auxiliares.

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER