Como posso produzir 3,800 galões ou 12,000 kg de leite por ano?
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Fonte: Dairy Herd Management

Uma das maiores realizações agrícolas de Israel é o desenvolvimento de um sector agrícola próspero no meio das condições do deserto e a inversão das tendências de desertificação. Então, como é isto possível? Bem, a resposta foi simples: implementar inovações.

A indústria leiteira de Israel é considerada uma das mais avançadas do mundo. Com a sua política e tecnologia de criação eficaz, Israel tornou-se um líder mundial na produção de leite. Tem mais de 100.000 vacas leiteiras que, sob um sistema de quotas, produzem quase 1,6 mil milhões de litros de leite por ano.

Nos últimos dez anos, países asiáticos como o Vietname e a China investiram fortemente na produção de lacticínios, confiando na perícia e tecnologia israelitas para o conseguir. Neste artigo analisamos a forma como a indústria tem evoluído ao longo dos últimos 100 anos para identificar o que os produtores latino-americanos de lacticínios podem tirar desta situação.

Israel é um líder mundial na indústria leiteira e, por sua vez, os produtos lácteos têm sido uma parte fundamental da agricultura israelita ao longo da história do país. O sucesso da produção leiteira israelita deve-se em grande parte ao árduo trabalho e inovação dos agricultores, que alcançaram marcos impressionantes na melhoria da produção leiteira e na optimização das raças de vacas e ovelhas.

Nos últimos anos, os avanços tecnológicos conduziram a melhorias na gestão agrícola e na saúde dos rebanhos. Hoje celebramos a longa história da produção leiteira com um olhar retrospectivo sobre os últimos 100 anos da indústria leiteira israelita.

1910s: A primeira exploração leiteira experimental de Israel
No início do século XX, havia menos de 1.000 cabeças de gado em Israel, e todas elas eram de uma raça local pequena e relativamente de baixo rendimento. Isto começou a mudar em 1911, quando a quinta experimental Ben-Shemen adquiriu um efectivo leiteiro e começou a produzir entre 1.000 e 5.000 quilos de leite por ano. Em 1912, Degania Aleph, o primeiro kibbutz, estabeleceu o seu próprio rebanho leiteiro.

1920s: Esforços para cruzar o gado israelita
A Declaração de Balfour de 1917 levou ao estabelecimento de colonatos judeus em Israel, e a agricultura leiteira era uma parte essencial dos novos estabelecimentos. As explorações leiteiras fizeram esforços para começar a cruzar vacas para criar rebanhos mais produtivos. Em 1921, Hachaklait, um serviço veterinário para produtores de leite, importou 27 vacas e touros da Holanda. A partir de 1925, os agricultores começaram a cruzar gado indígena israelita com touros holandeses e frísios.

Anos 30: Foco na saúde do rebanho
À medida que a produção leiteira crescia em número e importância, os agricultores e organizações tomaram precauções para proteger a saúde do gado. O governo britânico liderou um plano para erradicar a brucelose, e houve uma grande campanha contra a mastite. Novas investigações sobre doenças transmitidas por carraças levaram à imersão do gado e à imunização contra a teileriose. A década de 1930 também assistiu à experimentação da inseminação artificial.

1940s: Cresce a produção leiteira israelita
Na década de 1940, o crescimento da indústria leiteira israelita continuou a ser forte. Foram produzidos mais leite e outros produtos lácteos. Em 1946, 13 cabeças de gado foram importadas do Canadá, marcando uma importante transição das raças holandesas para a linhagem Holstein-Frísia. Ao mesmo tempo, a ICBA (Associação de Criadores de Gado de Israel) começou a instruir os produtores de leite na utilização de máquinas de ordenha. Todos estes factores contribuíram para o aumento da produção. No final da década, Israel tinha mais de 33.000 vacas e a produção anual de leite ultrapassava os 75 milhões de litros.

1950: O aumento da procura leva à regulação e organização
Na década de 1950, uma grande onda de imigração levou a um crescimento maciço das explorações leiteiras. Os novos imigrantes criaram uma procura crescente de leite, e muitos deles iniciaram as suas próprias pequenas explorações leiteiras. Cerca de 18.600 bovinos foram importados para Israel durante a década de 1950. A maioria destes eram gado Holstein-Freisian americano, o que alterou significativamente a composição do efectivo leiteiro israelita.

Durante este mesmo período, a Israel Dairy Board (I.D.B.) foi fundada em 1956 como a instituição central responsável pelo planeamento e regulamentação da produção e transformação de leite em Israel. Foi estabelecido com o objectivo de regular a produção leiteira e a indústria leiteira em Israel. Desde então, surgiram muitas outras organizações e organismos reguladores para as explorações leiteiras.

Anos 60: O crescimento das exportações
Na década de 1960, Israel deixou de ser uma nação que precisava de importar gado para passar a ser uma nação que pudesse exportá-los. Tudo começou com a exportação de 60 novilhas para o Irão, mas estas deviam ser apenas as primeiras de muitos bovinos israelitas exportados em todo o mundo.

Anos 70: Avanços na qualidade
A partir de 1975, o ensaio da FAO/Polónia comparou estirpes de gado de dez países diferentes. O gado israelita ocupa o primeiro lugar na melhoria da produção de leite e gordura, maturidade precoce, medições do corpo e taxa de crescimento. Este foi apenas um reconhecimento das impressionantes melhorias de Israel na produção leiteira.

Anos 80: Incorporação de equipamento electrónico
Os anos 80 assistiram a um boom na utilização da tecnologia para melhorar a produtividade e a eficiência. Os contadores electrónicos de leite, que eram fabricados localmente em Israel, tornaram-se mais populares entre os produtores de leite. Os agricultores também começaram a utilizar a identificação electrónica como parte dos seus sistemas de gestão agrícola. Estas novas ferramentas informáticas permitiram uma gestão mais precisa e eficiente.

1990: Registo do rendimento
Nos anos 90, a produção de leite de vacas israelitas atingiu níveis recorde. Em 1995, as vacas israelitas produziram uma média anual de 10.086 quilos, e a produção anual de leite excedeu pela primeira vez mil milhões de litros. Em 2000, o rendimento médio anual aumentou para 10.715 quilos.

Olhando para o futuro
Olhando para o futuro, podemos esperar melhorias contínuas tanto na produção como na gestão agrícola. Nos últimos 100 anos, as melhorias resultaram em grande parte de cruzamentos inovadores que resultaram em gado saudável e produtivo. Olhando para o futuro, parece provável que o crescimento venha da utilização da tecnologia.

Em Israel, os sistemas informatizados ajudam a registar os dados do leite e a gerir a saúde animal, os regimes de alimentação, a pecuária adequada e o planeamento económico. À medida que avançamos, é provável que estes sistemas se tornem mais eficientes e permitam um planeamento ainda melhor.

O elemento chave em todas estas melhorias, é claro, são os produtores de lacticínios israelitas. Estes são indivíduos em dificuldades que se dedicam à procura de melhorias. No século passado, isso permitiu-lhes ultrapassar um clima adverso e recursos limitados para desenvolver uma das melhores indústrias de lacticínios do mundo. No futuro, quem sabe o que irão conseguir?

Traducción: DeepL

Em comemoração ao aniversário do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, o Sebrae publicou o livro “50 Anos de Pequenos Negócios e Grandes Histórias”.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER