A crença de que as vacas são extremamente responsáveis pelas alterações climáticas é generalizada e desempenha um triplo papel no prejuízo daqueles que produzem e fabricam os alimentos que produzem, da saúde e da boa fé das pessoas que acreditam que ao degradarem a qualidade dos seus alimentos estão a ajudar a proteger o planeta em que vivem, e por último mas não menos importante, mantendo-as distraídas das verdadeiras causas do problema com que estão preocupadas.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS: A PRODUÇÃO DE CARNE E LEITE TORNOU-SE HERESIA E OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO E AS ORGANIZAÇÕES CONTINUAM A UTILIZAR E A ABUSAR DA DESINFORMAÇÃO.
ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS: A PRODUÇÃO DE CARNE E LEITE TORNOU-SE HERESIA E OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO E AS ORGANIZAÇÕES CONTINUAM A UTILIZAR E A ABUSAR DA DESINFORMAÇÃO.

No almoço do Dia do Pai da família, um dos membros mais jovens da família relatou como frequentemente surgem discussões entre os seus pares entre aqueles que acreditam no aquecimento global e aqueles que o afirmam ser um mito. É impressionante como o verdadeiro cerne da questão está tão desfocado e tem pessoas bem-intencionadas a discutir sem sentido.

O aquecimento global é uma realidade, o que é discutível é até que ponto afecta a vida no planeta e onde precisa de ser abordado para que as acções tomadas valham a pena e não se transformem em debates estéreis que só nos colocam uns contra os outros e nos afastam ainda mais de soluções concretas.

Grandes campanhas postulam que o abandono do consumo de carne e lacticínios salvaria o planeta, combateria as alterações climáticas, travaria a desflorestação e a destruição da vida selvagem, e preservaria a água. Nenhum destes princípios é um disparate.

“Segundas-feiras verdes” foi uma proposta do Ministério do Ambiente argentino para substituir as proteínas animais por proteínas vegetais, o que também levou à “Segundas-feiras sem carne”, que foi rapidamente retirada porque contradizia os verdadeiros argumentos da pecuária regenerativa, que estava a ser promovida por outro lado.

Entretanto, a actividade dos produtores de gado está a perder aceitação social, e cresce a ideia de que o que produzem é mau para a saúde e que são também o monstro responsável pela destruição do planeta. Muito contraproducente para eles e… muito conveniente para quem?

Bill Gates, que nos exorta a eliminar a carne e o leite das nossas dietas, sob a ameaça de não o fazer conduzir a um desastre climático e sanitário, é um dos maiores promotores da carne sintética, no entanto, existem amplas provas científicas de que o seu método de produção estaria a emitir mais gases com efeito de estufa do que um animal num sistema pastoral, ou silvo-pastoral.

Organizações que contratam celebridades, tais como PETA com Joaquin Phoenix, expõem mensagens altamente emotivas que geram grande impacto. No que respeita especificamente à produção leiteira, todos nos lembramos como a história de um influenciador tinha mais peso do que qualquer afirmação científica, apelando à sensibilidade de um público altamente permeável a isto.

É verdade que as emissões antropogénicas de dióxido de carbono estão a aumentar, mas nem todos os gases com efeito de estufa são maus, na realidade são necessários para reter parte do calor que chega à terra. Sempre houve ciclos de aquecimento seguidos de ciclos de arrefecimento, mas o problema agora é que a taxa de aquecimento do planeta é muito mais elevada do que a média histórica.

¾ das emissões provêm da produção de energia, dos transportes e da indústria. Quando TODA a produção animal é responsável por 5,8% das emissões directas. Só isto deveria ser suficiente para começar a compreender, de uma vez por todas, que o problema reside noutro lugar, e não nos confins do país. Mesmo se acrescentarmos a desflorestação, que é também um efeito secundário de alguns desenvolvimentos pecuários, estaríamos na ordem dos 7%.

Desde que a extracção de carvão começou em 1752 e surgiram os primeiros motores a vapor, a Argentina emitiu 0,51%, a Europa 33% e a UE 25%, o resto está espalhado pelo resto do mundo.

Os países desenvolvidos comprometem-se a reduzir as suas emissões e pressionam os países menos desenvolvidos a fazer o mesmo. E temos de trabalhar na redução das emissões, que é um objectivo global, não depende de onde estamos domiciliados, mas a procura não pode ser a mesma para os países em desenvolvimento e para aqueles que já se encontram a um nível de possibilidades diferente.

Existe uma correlação muito forte entre o nível de emissões e o desenvolvimento dos países; contudo, os países mais desenvolvidos chegaram onde estão porque emitiram sem controlo, e hoje em dia podem mudar a sua matriz energética para uma matriz mais limpa mas muito mais cara. Aos países menos desenvolvidos, que emitem menos e têm a menor capacidade de investimento, é-lhes imposta a mesma responsabilidade, é-lhes pedido que façam um sacrifício que deve ser feito, mas a pressão deve ser menor.

Em 2006, a FAO publicou um relatório intitulado “A longa sombra do gado”, no qual colocou a produção animal no topo da lista das emissões de gases com efeito de estufa do mundo. A produção de carne e leite tornou-se heresia e os meios de comunicação e organizações continuam a utilizar e abusar da desinformação de há 16 anos atrás, apesar de terem sido relatados erros metodológicos grosseiros nesse relatório em 2009. Em 2013 a FAO recalculou, e culpou a pecuária por 20% menos de responsabilidade, mas não há nenhum pedido de desculpas ou novo relatório para reparar os danos que causou e continua a causar com o seu relatório de 2006.

Como é que lhe explicamos isto? Uma molécula de metano aquece a terra 28 vezes mais do que uma molécula de dióxido de carbono, e foi nisto que todos os cálculos se basearam. Mas acontece que o metano arrotado pelo gado não é equivalente ao proveniente da queima de combustíveis fósseis. É incorrecto comparar os dois. O metano que as vacas arrotam no seu processo digestivo faz parte de um ciclo biogénico e é reciclado através da fotossíntese. As plantas transformam-no em celulose, amido e outros compostos que o animal consome durante o pastoreio. Numa dúzia de anos, este metano é transformado em CO2 e reincorporado no ciclo.

Depois há o ciclo antropogénico do carbono: 100 anos de extracção de carbono acumulado 8 km no subsolo, os seus gases não são reciclados, acumulam-se na atmosfera durante mil anos até se degradarem e é isso que o planeta está a ser incapaz de suportar.

Isto não quer dizer que o gado não possa dar uma contribuição melhorando as suas emissões. A mudança deve ser cultural e todos têm de contribuir para o cuidado do planeta a partir do seu próprio lugar. É por isso que o estudo e a evolução dos sistemas de produção leiteira é constante.

Os sistemas pastoris são potenciais sequestradores de carbono, e nos sistemas intensivos ou confinados, que são aqueles em que as vacas leiteiras não saem para pasto, mas são servidas como ração, a dieta é mais equilibrada e pode emitir até 30% menos.

O abandono do consumo de carne e leite não só põe em risco a sua saúde e capacidades, mas também não oferece uma solução. Não é assim. Não é baixando a qualidade da nutrição humana que o planeta será salvo. Os consumidores estão cada vez mais atentos a alternativas que dão prioridade aos cuidados ambientais, mas não podem deixar a saúde passar à margem do caminho.

00. A sua produção ocupa terra, espaço, água: nada pode ser produzido sem recursos. É ilusório fingir viver do ar, do sol e de coisas que fingem ser o que não são.

Estes recursos podem ser utilizados de forma mais eficiente? É claro que podemos sempre repensar a forma como fazemos as coisas. A ciência e a tecnologia ao serviço da agricultura e da pecuária estão a trabalhar todos os dias para atingir este objectivo, a fim de produzir mais e melhores alimentos para alimentar uma população crescente.

É perverso tentar convencer-nos de que a nossa existência é prejudicial para tudo o que nos rodeia. Não concordo com esta visão culpada de que os seres humanos têm de se degradar por causa do ambiente ou o que quer que seja, acredito que somos tão maravilhosamente parte deste planeta como a terra, os animais, as plantas, a água e o ar. Creio que como seres pensantes, criativos e criativos, devemos utilizar os recursos de forma responsável. É verdade que é uma consciência que nem sempre tivemos, mas que estamos a gerar na aprendizagem a partir de tentativas e erros.

Continuei a escolher a melhor nutrição. Comer carne e consumir produtos lácteos é bom para si.

Já bebeu o seu copo de leite hoje?

Valeria Guzmán Hamann
EDAIRYNEWS

 

 

 

Valorização está relacionada ao forte aumento do custo de produção por conta da forte estiagem sofrida no Brasil.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER