Os altos custos de produção da pecuária leiteira têm pressionado as margens da atividade, principalmente no que diz respeito às despesas com a alimentação do rebanho (Carta Leite de maio/21).
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Os altos custos de produção da pecuária leiteira têm pressionado as margens da atividade, principalmente no que diz respeito às despesas com a alimentação do rebanho (Carta Leite de maio/21).

Essa situação foi agravada pela seca, que diminuiu a oferta de pastagens e aumentou a necessidade de suplementação do rebanho.

Neste cenário, a produção brasileira de leite cru (matéria-prima) registrou quedas expressivas. De acordo com o Índice de Captação de Leite da Scot Consultoria, na média nacional, o volume captado em junho/21 foi 2,5% menor que em maio/21, o menor volume registrado desde julho de 2013. Em julho/21, o volume foi 2,8% menor em relação ao mesmo mês de 2020.

Confirmando esse quadro, a Pesquisa Trimestral do Leite (IBGE) revelou que no 2o trimestre deste ano a captação de leite caiu 11,5% frente ao trimestre anterior e 1,2% frente ao 2o trimestre de 2020.

Em virtude disso, o preço do leite pago ao produtor (média nacional ponderada) subiu 12,8% nos últimos quatro pagamentos e, na comparação anual, o preço pago em julho (último pagamento) foi 37,2% maior este ano.

Margens apertadas

Apesar desses aumentos, os produtores de leite enfrentam dificuldades para manter a rentabilidade do negócio, diante da elevação dos custos dos alimentos, fertilizantes e medicamentos veterinários, entre outros itens, além da dificuldade para a compra de alguns insumos.

Dessa forma, os investimentos na atividade têm diminuído, o que, atrelado às altas no mercado do boi gordo e de reposição, estimula o descarte de vacas leiteiras para abate, além da venda de bezerros, que é fundamental na composição dos resultados da pecuária de leite.

Simulação

A Scot Consultoria calcula anualmente as rentabilidades médias das atividades agropecuárias e de outras opções de investimento de capital.

Para esse cálculo são utilizados modelos econômicos que levam em consideração fatores estimados para cada negócio agropecuário (índices técnicos, localização e estrutura produtiva), conforme o nível tecnológico. Os parâmetros de referência são para propriedades em São Paulo, Minas Gerais e Paraná.

Nesse sentido, ressaltamos que os resultados apresentados podem ter significativa variação, conforme alteração dos índices produtivos.

A rentabilidade média da atividade de alta tecnologia (25 mil litros/ha/ano) em 2020 foi de 1,99%, segundo a Scot Consultoria.

Para os sistemas com produtividade média de 4,5 mil litros/ha/ano (baixa tecnologia) a rentabilidade foi negativa em 6,14%. Este foi o nono ano consecutivo de rentabilidade negativa.

A partir disso, a Scot Consultoria estimou qual o impacto da venda de bezerros na produção leiteira em 2021, comparando um cenário com a venda de animais e outro sem.

Para isso, utilizamos estimativas de custos para uma propriedade com atividade leiteira de média a alta tecnologia, com produção de cerca de 1.400 litros/dia (25 mil litros/ha/ano), localizada no estado de São Paulo.

Para 2021, considerando os preços do leite pago ao produtor e os custos de produção médios no primeiro semestre, a rentabilidade média dos sistemas de alta tecnologia está estimada em 0,99%.

Esses resultados consideram, além da venda do leite, o descarte de vacas para o abate e a comercialização de animais menos erados, que nos modelos representaram 8,5% da receita total da atividade.

Se excluirmos o faturamento com a venda dos animais, o resultado estimado é de rentabilidade negativa de 3,6%. Ou seja, o descarte de vacas para abate e a comercialização de animais mais jovens são fundamentais para a saúde financeira da produção leiteira.

Com os custos de produção em patamares elevados, cabe ao produtor priorizar a gestão financeira da propriedade, bem como o planejamento da atividade, com relação à compra de insumos, por exemplo.

Outro ponto importante é o uso de tecnologia e aumento da produtividade e qualidade do leite. É notável que os produtores que vêm investindo em produções tecnificadas têm tido melhores resultados, pois as bonificações obtidas pela qualidade e volume produzido de leite garantem uma melhor rentabilidade e, com isso, investimentos e a sobrevivência na atividade.

Para incentivar a silagem a secretaria Municipal de agricultura está oferecendo tratores à comunidade.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER