A Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor) elegeu o setor de leite para as primeiras investigações sobre possível aumento abusivo de preços dos alimentos após o início das medidas de isolamento para enfrentar a pandemia do coronavírus.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor) elegeu o setor de leite para as primeiras investigações sobre possível aumento abusivo de preços dos alimentos após o início das medidas de isolamento para enfrentar a pandemia do coronavírus.

O órgão, que é ligado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, negocia um convênio com a Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), da USP, para ajudar a mapear a cadeia do produto e investigar aumentos.

A opção pelo leite foi baseada em denúncia de supermercados. Dados do Cepea (Centro de Pesquisa Econômica Aplicada), da Esalq, mostram que o aumento da procura elevou em 24,7% o preço médio pago ao produtor do leite longa vida em março.

Redes varejistas, porém, acusam fornecedores de promover aumentos de até 50% e de dificuldade na reposição de estoques após corrida dos consumidores a supermercados no início do isolamento.

O repasse às gôndolas, segundo o IBGE, ainda não foi tão elevado. Em março, o preço do leite longa vida no varejo subiu 1,75%. Ainda assim, foi uma das principais influências na alta da inflação dos alimentos no mês.

Levantamento da consultoria Nielsen aponta que o faturamento de supermercados com vendas de leite cresceu 71,6% na terceira semana de março, quando as restrições à circulação de pessoas começavam a ser adotadas no país.

O segmento tem enfrentado problemas diferentes no mundo. Grandes exportadores e mais dependentes das vendas de restaurantes e lanchonetes, os produtores de Estados Unidos e Canadá decidiram descartar parte da produção por falta de compradores.

“As dramáticas mudanças na demanda e os desafios relacionados a toda a cadeia de suprimentos resultaram na necessidade de descarte de leite cru, medida extremamente triste e difícil”, disse, em nota a Associação dos Processadores de Leite do Canadá.

O secretário da Senacon, Luciano Timm, disse à reportagem que o mercado de leite foi o primeiro denunciado em convênio com a Abras (Associação Brasileira dos Supermercados) para investigar práticas abusivas no setor de alimentos durante a pandemia.

Em caso de identificação de aumentos não justificados, a Senacon pode abrir processos administrativos com pena de multa de até R$ 9,9 milhões, dependendo do faturamento da empresa.

O segundo alvo, afirma Timm, deve ser o feijão, essencial na mesa do brasileiro e também um dos focos de denúncias. Segundo levantamento da Cogo Inteligência em Agronegócio, o preço do produto no atacado subiu 71,1% em 30 dias.

Nas gôndolas, segundo o IBGE, o preço do feijão-fradinho subiu 6,52% em março. Já o mulatinho teve alta de 5,86%. O feijão-preto aumentou 1,24%, e o carioca ficou 1,29% mais barato.

Timm diz que as investigações da Senacon estão relacionadas às leis de defesa do consumidor. Também ligado ao Ministério da Justiça, o Cade (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada) está apurando eventuais situações de abuso de poder econômico. Nesse caso, porém, as investigações são sigilosas.

A alta dos preços dos alimentos ocorre em um momento de perda de renda da população, diante do desemprego ou da falta de oportunidades para trabalhadores autônomos e informais.

Timm alega que a Senacon começou a atuar primeiro em itens de primeira necessidade na área de saúde, como máscaras e álcool em gel, e por isso só agora dará início a investigações sobre alimentos.

“A gente tem que usar uma lógica, que está na Constituição, de eficiência na administração pública”, diz. “Partimos do que é urgente: primeiro álcool em gel, depois alimentos.”

PUBLICIDADE

Tendência é que falte matéria-prima com possível desistência da atividade leiteira

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER